terça-feira, 15 de dezembro de 2015

MOBILIZAÇÃO E COMBATE AO MOSQUITO AEDES AEGYPTI

Após o Ministério da Saúde confirmar a relação entre o vírus Zika e a ocorrência de microcefalia, uma mobilização nacional foi chamada para conter o mosquito transmissor, o Aedes aegypti, responsável pela disseminação das doenças dengue, chikungunya e zika.

Para atingir esse objetivo o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (SINPDEC)   atuará  em conjunto  com  Sistema  Nacional  de  Saúde  (SUS)  na Mobilização  e Combate  ao  Mosquito,  sendo  fundamental  a  participação  dos  órgãos estaduais e municipais de proteção e defesa civil.


Secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil com representantes estaduais em reunião sobre o Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia

A Sala Nacional de Coordenação e Controle do Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia, localizada no Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), órgão da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil,  atua no gerenciamento e monitoramento das ações de mobilização e controle do mosquito Aedes aegypti em todo o país.

Em Mato Grosso, o Superintendente de Proteção e Defesa Civil, tenente-coronel BM Cunha Jr.,  iniciou as tratativas para organizar a Sala de Coordenação e Controle na esfera estadual, incluindo reunião com sua equipe e o agendamento de encontros com gestores dos municípios mato-grossenses para debater as estratégias de atuação integrada e de apoio às ações.




Além de definir  diretrizes  para  execução  coordenada  e  controlada  das  ações  de mobilização e combate ao mosquito em Mato Grosso, a Sala de Coordenação e Controle Estadual deverá dar suporte a municípios com pessoal, insumos, equipamentos e logística; Informar à Sala Nacional de Coordenação e Controle as necessidades logísticas para o pronto cumprimento da mobilização e combate ao mosquito; Elaborar Plano de Ação para o combate ao vetor em seu território; dentre outras atribuições.

Para o superintendente de Proteção e Defesa Civil, tenente-coronel BM Cunha Jr, somente uma grande ação unificada entre municípios, Estados e a União será capaz de derrotar esse mosquito que causa tão graves epidemias no país. “É uma situação que pode ser considerada desastre biológico, por isso os órgãos de Proteção e Defesa Civil vão caminhar juntos com representantes do Ministério da Saúde, secretarias de Saúde, Educação, Segurança Pública e Assistência Social, para conter novos casos de microcefalia relacionados ao vírus Zika”, concluiu o superintendente.  


Dados da microcefalia no país:

Com o crescente número de casos de microcefalia no país, o Ministério da Saúde declarou, no mês passado, Situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional no país. 

As investigações sobre o tema devem continuar para esclarecer questões como a transmissão desse agente, a sua atuação no organismo humano, a infecção do feto e período de maior vulnerabilidade para a gestante. 

Até 5 de dezembro de 2015, foram registrados 1.761 casos suspeitos de microcefalia, em 422 municípios de 14 unidades da federação. As informações são do Informe Epidemiológico sobre Microcefalia, divulgado pelo Ministério da Saúde.


Fonte: Cida Rodrigues - Assessoria / Defesa Civil Estadual

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

CURSO AÇÕES DE DEFESA CIVIL PARA 
CORPO DE BOMBEIROS

Texto: Cida Rodrigues - Publicidade Defesa Civil e Bruna Pinheiro - Assessoria/Secid
Fotos: Cida Rodrigues

As ações de Defesa Civil estão ganhando um grande reforço em Mato Grosso. De quarta, 09, até sexta-feira,11, bombeiros militares de vários municípios participam na Escola de Governo, em Cuiabá, do curso oferecido pela Defesa Civil Estadual. 




É uma parceria que busca integrar os dois órgãos estaduais para assessorar melhor os municípios mato-grossenses em situação de emergência ou de calamidade pública. Como o Corpo de Bombeiros possui Regionais em todo o Estado, busca-se aproveitar essa estrutura de regionalização para promover mais proximidade com os municípios mato-grossenses e garantir a efetividade no atendimento à população. 




Os bombeiros militares estão conhecendo o ordenamento jurídico do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil, e aprendendo também a elaborar planos de resposta e plano de trabalho nas ações de atendimento a desastres e a preencher o S2ID (Sistema Integrado de Informações sobre Desastres).  Após a conclusão do curso, eles estarão aptos a apoiar a Defesa Civil Estadual na assessoria aos municípios nas decretações e nas ações de prevenção, resposta e reconstrução. 





Já no primeiro dia de curso, os participantes conheceram de perto cenários com risco de desastre em dois bairros da região do Coxipó, em Cuiabá. Na aula de campo, os bombeiros vivenciaram situações que os ajudaram a entender melhor a atuação da Defesa Civil, que vai desde a prevenção até a reconstrução de estruturas afetadas por desastre.





Um dos instrutores do curso é Washington Duarte, que faz parte da equipe da Defesa Civil Estadual e também é major do Corpo de Bombeiros. Segundo Washington, “muitos bombeiros não sabem como funciona o sistema de informações da Defesa Civil. Esta ferramenta possibilita relatar os danos sofridos nas cidades e viabilizar a captação de recursos para a recuperação dos prejuízos. Capacitando esses militares no atendimento e fornecimento das primeiras informações, a população será diretamente beneficiada”.



terça-feira, 1 de dezembro de 2015

DEFESA CIVIL DE MATO GROSSO PARTICIPA DE REUNIÃO DO PROJETO GIDES

Texto: Cida Rodrigues - Publicidade/Defesa Civil

Para se inteirar e se envolver nas discussões da estratégia nacional de prevenção de desastres, a Defesa Civil de Mato Grosso é um dos órgãos participantes da 3ª Reunião técnica sobre plano de prevenção, reabilitação e reconstrução do projeto GIDES, nos dias 01 e 02 de dezembro, em Brasília.


Tenente-coronel BM Adelir Martini e Major BM Washington Duarte representando a Defesa Civil na reunião

GIDES é o projeto de Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Riscos de Desastres Naturais. Uma iniciativa da parceria da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) firmada em agosto de 2013 com duração de quatro anos. 

As reuniões técnicas são instâncias em que os três ministérios executores (Cidades; Integração; Ciência, Tecnologia & Inovação) e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) – além de representantes de estados e municípios-piloto, discutem temas afetos à implementação do projeto.


Ao participar dessas reuniões técnicas, a  Defesa Civil Estadual se integra na troca de conhecimento entre o Brasil e o Japão, ao mesmo tempo em que busca mais orientações para elaboração políticas públicas na área de proteção e defesa civil.