quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Novos critérios para reconhecimento federal de desastres naturais

Assessoria de Comunicação | Ministério da Integração Social

A nova Instrução Normativa (IN nº2) da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), do Ministério da Integração Nacional, que estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública em casos de desastres naturais entrou em vigor no dia 21 de dezembro de 2016. Além de aprimorar a legislação anterior, publicada em 2012, o documento redefine os níveis de classificação de desastres e os prazos para solicitação de apoio federal. O documento foi divulgado no Diário Oficial da União (Confira abaixo o link para acessar a portaria).

Assinado pelo ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, a Normativa enquadrou os desastres em três níveis de intensidade: pequena, média e grande. A medida tem a finalidade de atender de forma mais ampla e rápida todos os estados e municípios atingidos por desastres naturais, levando em consideração as peculiaridades de cada região e as necessidades específicas de cada atendimento.

Serão considerados desastres de pequena e média intensidade as ocorrências que caracterizam situação de emergência - quando há danos humanos e/ou prejuízos econômicos superáveis pelos próprios entes. Já os desastres de grande intensidade - quando o restabelecimento da situação de normalidade depende da mobilização e ação coordenada das três esferas de atuação do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sinpdec) -, serão classificados automaticamente como calamidade pública.

O novo documento também traz alterações no prazo para solicitação de reconhecimento federal. Em casos de desastres súbitos os pedidos tiveram prazo ampliado e devem ser encaminhados em até 15 dias após o registro das ocorrências - antes eram somente dez dias. Já para os desastres graduais ou de evolução crônica, o prazo aumenta de 10 para 20 dias, contados da data do decreto do ente federado que declara situação de anormalidade. A vigência do reconhecimento permanece com 180 dias após a publicação no Diário Oficial da União.

A construção do novo texto da Instrução Normativa contou com a contribuição de todas as Defesas Civis Estaduais para que houvesse maior abrangência e atendesse todos os níveis de desastres.

Acesse AQUI a portaria
Manuais técnicos de proteção e defesa civil estão disponíveis para consulta pública
Assessoria de Comunicação | Ministério da Integração Social

Os manuais que orientam as ações da proteção e defesa civil no país foram atualizados e estão disponíveis para consulta pública e contribuição da população. A reformulação dos manuais, coordenada pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), do Ministério da Integração Nacional, está aberta para toda a população até o dia 30 de dezembro.

São cinco exemplares que serão utilizados como referencial teórico e técnico para a implementação das medidas  de prevenção, mitigação, preparação e assistência humanitária aos estados e municípios atingidos por desastres. O objetivo é incorporar novas experiências à gestão de risco de desastre e apoiar a implementação da Política Nacional de Proteção e Defesa Civil nos municípios. O conteúdo tem como base a legislação vigente e as experiências obtidas em território nacional e internacional.

Dos cinco volumes, três são de referência e abordam os conceitos de desastre, a legislação vigente, a avaliação de riscos, as estratégias de prevenção, o mapeamento das áreas de risco, o planejamento e a aplicação das ações, dentre outros pontos. Os manuais também são compostos por um guia e um glossário.

Consulta pública

As contribuições podem ser feitas na plataforma virtual de domínio do Governo Federal: www.participa.br e no site do Ministério http://mi.gov.br/web/guest/eventos

As propostas serão avaliadas durante o mês janeiro e a previsão de lançamento dos manuais é em maio de 2017.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Campanha nacional de combate ao Aedes aegypti é lançada em Cuiabá

Ana Maria Ferreira e Ana Sampaio | SES e Secid-MT 


Foi lançada nesta sexta-feira (02.12) a campanha nacional de combate ao mosquito Aedes aegypti, em evento na Escola Municipal Professora Elza Luiza Esteves, no bairro Canjica em Cuiabá. A data também marca o “dia D” de combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e febre chikungunya.

O lançamento contou com a participação do ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Torquato e Jardim, do secretário de Estado de Saúde, João Batista Pereira e do prefeito da capital, Mauro Mendes. O ministro também entregou as chaves de quatro veículos para atuar no combate ao mosquito nos municípios de Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Várzea Grande. 

No dia D, ações integradas de combate ao Aedes aegypti são realizadas em todo o país. Em Cuiabá, os trabalhos são realizados por militares das Forças Armadas, agentes de Saúde, Defesa Civil, e voluntários que conscientizam a população sobre a importância de combater o mosquito. 

Durante o lançamento, o ministro Torquato Jardim chamou a população para intensificar a vigilância dos possíveis criadouros do mosquito transmissor, visto que Mato Grosso registrou de janeiro a novembro de 2017 27 mil de casos de dengue, 24.512 de zika vírus e 1.427 de chikungunya. “Todos precisam estar bem mais atentos. O combate ao mosquito não é uma ação só do Governo, é responsabilidade de todos nós”, enfatizou.

Visita a residências
Foto: Edson Mauro Veiga / Defesa Civil Estadual
No período da tarde, cerca de 200 militares do Exército, 45 agentes e voluntários da Defesa Civil e 30 agentes de controle de endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá visitaram casas no bairro Três Barras.

De acordo com o secretário adjunto de Proteção e Defesa Civil da Secretaria de Estado das Cidades, Ten. Cel. BM Abadio Cunha, os trabalhos foram de orientação e de inspeção às residências. “Vamos ensinar a população a identificar os possíveis criadouros e também orientá-los a fazer a eliminação desses focos, para que o município se torne resiliente e capaz de combater o mosquito Aedes aegypti”, explicou.

Conciele Pedroso é voluntária da Defesa Civil há quase dois anos e já participou de várias ações de combate ao vetor da dengue na Capital e no interior de Mato Grosso. Para ela é gratificante ajudar na conscientização popular e colaborar com a saúde da sociedade. “É muito gratificante. Ser voluntária é amor. Durante as ações ouvimos inúmeros relatos de pessoas que já sofreram com a dengue e a zika. Isso é o que me deixa mais motivada em ajudar a combater o mosquito. Fomos bem recebidos por moradores do Três Barras, que prestaram muita atenção nas nossas orientações e recomendações”, contou.
Foto: Edson Mauro Veiga / Defesa Civil Estadual

Durante a visita a residências, a moradora Regiane Gomes disse que tem medo das doenças que o mosquito transmite. Ela vê como positiva ação dos voluntários e agradece. “Muito obrigada por virem na minha casa, nos meus vizinhos. Já tenho muito cuidado e vou procurar ter mais ainda para que minha família não seja mais uma vítima dessas doenças”, diz.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Secretário visita Coxipó do Ouro após inundação de casas
Ana Sampaio | Secid-MT 

O secretário de Estado das Cidades, Wilson Santos, visitou o distrito do Coxipó do Ouro, em Cuiabá, para ver a situação das casas inundadas pelas fortes chuvas no local. Acompanhado do deputado estadual José Domingos Fraga, Wilson colocou a secretaria adjunta de Proteção e Defesa Civil à disposição do município para auxiliar nas ações de retomada da normalidade na localidade.

No total, cerca de cem famílias foram afetadas pelas fortes chuvas que provocaram o transbordo do rio Coxipó e afluentes, entre eles, o rio Claro. “Viemos verificar quais as necessidades das famílias. Estamos colocando a nossa secretaria para auxiliar os moradores do Coxipó do Ouro no que precisarem para voltar à normalidade o mais rápido possível”, disse o secretário, que conversou com vários moradores da comunidade para ter conhecimento dos problemas.

O coordenador de resposta e reconstrução da Defesa Civil, major BM Washington Duarte, explicou que os primeiros atendimentos no Coxipó do Ouro já foram feitos pela coordenadoria da Defesa Civil de Cuiabá, que está levantando as perdas causadas pela inundação. “Após os dados oficiais vamos colaborar com aquilo que for preciso para atender as necessidades básicas dos moradores como, por exemplo, filtros de água e colchões”, exemplificou.

As chuvas tiveram início nas primeiras horas desta segunda-feira (21.11), provocando a cheia do rio Coxipó. A projeção é que o volume de água tenha ultrapassado sete metros na região da ponte do Coxipó do Ouro, chegando às residências.

Conforme o vice-presidente da associação de moradores, João Alves, a água atingiu cerca de 300 moradias. “Foi um susto, mas graças a Deus a água baixou. Agora vamos ficar alertas e terminar o levantamento de dados para recebermos os auxílios da Defesa Civil. Além disso, foi necessária a interdição da nossa ponte para passagem de carros e estamos aguardando a prefeitura para realizar os trabalhos para que seja liberada”, contou.

O episódio pode ter sido caudado devido à grande quantidade de chuva deste mês. De acordo com relatório da Defesa Civil emitido nesta terça-feira (22.11), choveram 200 milímetros nos 21 dias de novembro, uma média de 9,5 mm por dia. O mês já é o segundo mais chuvoso de 2016.

Histórico

Às margens do rio Coxipó, o distrito do Coxipó do Ouro foi criado em 1938. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população no ano de 2010 era de 731 habitantes, espalhada em cerca de 470 moradias particulares.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

NOVIDADE NA CARAVANA DA TRANSFORMAÇÃO: 
DEFESA CIVIL KIDS 

Desde a primeira edição da Caravana da Transformação, a Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa Civil é responsável pela logística e infraestrutura do evento governamental. Além disso, atua na preparação e na supervisão dos voluntários que fazem a recepção, triagem e orientações aos participantes.

Mas nessa terceira edição, realizada de 08 a 17 de novembro em Canarana, a Defesa Civil Estadual também levou dicas de proteção. O espaço denominado DEFESA CIVIL KIDS ofereceu às crianças jogos, pinturas e brincadeiras com orientações de como agir antes, durante e depois de desastres. A novidade encantou os pequenos que puderam aprender a ser resilientes desde cedo. Confira algumas fotos.



  





A Caravana da Transformação

A terceira edição da Caravana da Transformação que ocorreu em Canarana realizou 5.701 consultas oftalmológicas. Somando as consultas, exames e cirurgias já são 29.577 procedimentos em oftalmologia nas três edições da Caravana. 

No “Espaço de Cidadania” foram solicitados e emitidos 554 documentos entre certidões de Nascimento e Casamento, carteira de identidade, CPF, Carteira de Trabalho, Carteira de Pescador Amador e carteira de habilitação.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

FALTA DE ÁGUA EM TANGARÁ DA SERRA É AMENIZADA POR AÇÕES DA DEFESA CIVIL


Por causa da crise no abastecimento de água, a população do município de Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá, convive com a falta de água desde o início de outubro. Segundo o Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae), o nível do Rio Queima-Pé, que abastece a cidade, está muito baixo por causa da falta de chuvas no município, afetando a distribuição de água.

Para ajudar a amenizar a situação, a Defesa Civil Estadual tem oferecido todo apoio possível ao munícipio.

Uma das primeiras medidas foi assessorar a Defesa Civil Municipal no processo de decretação de situação de emergência. Com a medida, a Prefeitura tem facilitada a mobilização dos órgãos municipais e a dispensa de licitação para contratos de aquisição de bens às atividades de resposta à estiagem, além de possibilitar que o município consiga receber mais ajuda do Estado e da União.

A Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa Civil providenciou também o envio de 22 caminhões-pipa para ajudar na distribuição de água às residências. “É uma ação mais humanitária e de emergência. Como a água não chegava às torneiras da maioria das casas, os caminhões ampliaram a capacidade de distribuição de água”, explicou o secretário adjunto de Proteção e Defesa Civil, tenente coronel BM, Abadio da Cunha Jr.

Atualmente, esses caminhões-pipa estão ajudando a encher a ETA (Estação de Tratamento de Água) da cidade, carregando água do rio Sepotuba. A ação está sendo coordenada por uma equipe da Defesa Civil Estadual que acompanha em loco a atividade visa normalizar de vez o abastecimento de água em Tangará da Serra.

Uma outra ação de ajuda emergencial foi a entrega de 500 filtros à Prefeitura de Tangará da Serra. Os filtros atendem as famílias cadastradas aos Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e Centro de Referência Especializada em Assistência Social (CREAS), vinculados à Secretaria Municipal de Assistência Social. Conforme informações da Prefeitura, a população do município tinha o hábito de beber a água direto da torneira, pelo fato da água sempre vir tratada. Com os problemas no abastecimento e a consequente necessidade de filtragem da água, a entrega dos filtros vai evitar o consumo de água contaminada pela população que não tem condições de comprar água potável.

Para o prefeito do município, Fábio Junqueira, o apoio da Defesa Civil Estadual tem sido fundamental para minimizar os impactos sofridos pela população de Tangará da Serra. "O município vem fazendo um esforço grande para atender os bairros com a ajuda dos voluntários, da sociedade, da Defesa Civil municipal, mas nossa capacidade estava se exaurindo... e a vinda da Defesa Civil Estadual trouxe um fôlego novo. Todo o apoio por parte do Governo do Estado através de seus órgãos, como Defesa Civil e Secid, é muito importante e seremos sempre gratos por isso", agradeceu o prefeito.
Prefeito Fábio Junqueiro em conversa com o major BM Washington, coordenador de resposta e reconstrução da Defesa Civil 

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Caravana da Transformação
Com muita dedicação, mais de 200 voluntários atuam em Canarana

Thiago Andrade | Gcom-MT 

Foto: Junior Silgueiro/Gcom-MT
Uma equipe formada por 206 voluntários atuam diariamente na terceira edição da Caravana da Transformação que acontece no Estádio Municipal da cidade de Canarana. Juntamente com a Defesa Civil do Estado, todos foram treinados e estão preparados para receber, prestar primeiros socorros e atender quem precisa de ajuda durante o período do evento. 

Eles começam a chegar antes das 5h. Quando os portões são abertos, eles já estão prontos para acompanhar e conduzir cada pessoa que busca consulta oftalmológica, serviços de odontologia e também os serviços de cidadania.
Foto: Rafaella Zanol/Gcom-MT
Um dos voluntários é o jovem Dyakalo Faratu Matipe, indígena que faz curso técnico oferecido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secitec). Ele conta que achou interessante poder participar de um evento tão grandioso e que promete transformar a vida das pessoas. 

Ele atua na Caravana no cuidado com as crianças que vão ao Estádio Municipal de Canarana participar das atividades. "Está sendo uma experiência muito boa aqui na Caravana. Hoje trabalho no controle das crianças, e é uma função super importante para que elas não se percam por aqui. Caso isso aconteça, a gente liga rápido pra mãe vir buscar", disse.  

Preparação

Responsável pela preparação dos voluntários que atuam na Caravana da Transformação, Maria Miqueline, da Defesa Civil, destaca que a preparação começa um mês antes do início das atividades. "Fizemos a divulgação entre os servidores da Prefeitura de Canarana e nos veículos de comunicação da cidade. O pessoal compareceu, foram formados em primeiros socorros, combate a princípio de incêndio e noções de atendimento ao público", disse. 
Maria Miqueline, responsável pela preparação dos voluntários (Foto: Junior Silgueiro /Gcom-MT)
Segundo ela, os voluntários também conheceram o passo a passo de como os serviços oferecidos pela Caravana, para poderem auxiliar quem busca por ajuda. "Tudo isso foi explicado antes de eles virem trabalhar conosco aqui", destacou. 

A equipe de voluntários está sob supervisão do tenente-coronel Abadio José da Cunha Júnior. "Com a crise, a nossa equipe do governo acabou ficando menor e os voluntários hoje somam 80% dos profissionais que atuam aqui", disse ele, ao falar da importância dos voluntários para a realização da Caravana da Transformação.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Consultas da Caravana da Transformação começam nesta terça-feira

Thiago Andrade | Gcom-MT 

Foto: José Medeiros / Gcom-MT
A terceira edição da Caravana da Transformação começa nesta terça-feira (08.11), no município de Canarana (823 km a Leste de Cuiabá). Pessoas com mais de 55 anos de todos os municípios da região Araguaia podem procurar o Estádio Municipal de Canarana para ter acesso à consulta oftalmológica de graça. Caso necessite, o paciente também poderá fazer cirurgias de catarata e pterígio em unidades móveis instaladas na cidade, com equipamentos de última geração.

Segundo o secretário de Estado de Governo, José Arlindo de Oliveira, que coordena a Caravana da Transformação, os três primeiros dias da iniciativa terão como foco as ações em saúde, com consultas oftalmológicas. Também na área de saúde, Arlindo destaca que a edição de Canarana será a primeira a oferecer atendimento odontológico, tendo crianças e adolescentes como público-alvo. Neste caso, também foram preparados veículos para fazer o atendimento.
Voluntários de Defesa Civil ajudarão na recepção e no atendimento das pessoas
A expectativa da organização é que sejam feitas mais de duas mil cirurgias oftalmológicas na terceira Caravana. Até o momento, 27 municípios da região já confirmaram que levarão pacientes para os atendimentos. “A Caravana da Transformação depende muito do apoio dos municípios. Canarana abraçou a causa e está sendo parceira na realização desta terceira edição. As prefeituras da região também estão nos dando apoio e levarão pacientes para realizar as consultas, exames e cirurgias”, disse.

Por dia, serão realizadas 800 consultas oftalmológicas. Caso sejam identificados problemas como catarata e pterígio, os pacientes serão encaminhados para cirurgias nas unidades móveis de saúde instaladas no local. Todos os procedimentos são acompanhados por equipes da Vigilância Sanitária e os pacientes têm a garantia de acompanhamento médico em todas as etapas do tratamento.

Além destes atendimentos, a Caravana da Transformação também contempla ações de cidadania, que nesta edição serão realizadas nos dias 11 e 12 de novembro (sábado e domingo). Nos dois dias, serão realizados serviços de emissão de documentos (RG, CPF, Carteira de Trabalho e Carteira de Pescador Amador). Também serão ofertadas orientações sobre combate à violência contra a mulher, seleção para vagas de trabalho pelo Sistema Nacional de Emprego (Sine), entre outros benefícios.

Nos dias 11 e 12, chamados “Dias D”, a Caravana da Transformação contará com a participação do governador Pedro Taques. Na oportunidade, o chefe do Poder Executivo Estadual receberá demandas dos prefeitos e consórcios e buscará solução para problemas enfrentados pelos municípios do Vale do Araguaia.
Mais de 150 pessoas, divididas em três turmas, foram capacitadas pela Defesa Civil para atuar como voluntário na terceira edição da Caravana


quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Estado manda 22 caminhões-pipa para abastecimento emergencial em Tangará da Serra
Ana Sampaio | Secid-MT 
Foto: Júnior Silgueiro / Gcom-MT
A Secretaria de Estado das Cidades (Secid-MT), por meio da adjunta de Proteção e Defesa Civil, encaminhou 22 caminhões-pipa para atender o município de Tangará da Serra (a 250 km de Cuiabá). A prefeitura solicitou ajuda emergencial devido à falta de água potável para cerca de 80 mil habitantes. Visando sanar o problema em curto prazo, a Secretaria das Cidades deu início também a estudos para novos serviços de captações de água.

Os 22 caminhões-pipa de 10, 20 e 30 mil litros já foram encaminhados para a cidade nesta terça-feira (25.10). Já os estudos para atendimento emergencial do problema foram iniciados na manhã de segunda-feira (21.10), em Tangará, pela equipe da Defesa Civil estadual. 

“Os caminhões vão ampliar a capacidade de distribuição de água no município. É uma ação mais humanitária e de emergência, já que o processo de decretação de emergência está em andamento. Os 22 caminhões serão coordenados pela Defesa Civil lá em Tangará, inicialmente levando água até as residências e depois para encher a ETA (Estação de Tratamento de Água) da cidade”, explicou o secretário adjunto de Proteção e Defesa Civil, tenente coronel BM, Abadio da Cunha.
Foto: Júnior Silgueiro / Gcom-MT
Três possibilidades são estudadas pela equipe técnica de saneamento da Secid, juntamente com a Secretaria Municipal de Água e Esgoto de Tangará da Serra, para sanar emergencialmente o problema: perfuração de poços na área urbana, construção de uma nova captação de água no Rio Sepotuba ou readequação da represa do Rio Queima Pé, que atualmente atende o abastecimento local, mas está com baixa capacidade para suprir a demanda.

O prefeito de Tangará da Serra, Fábio Junqueira, se impressionou ao ver a agilidade da resposta da Secretaria de Estado das Cidades, via Defesa Civil. “O município de Tangará está fazendo um esforço sobre-humano, mas a nossa capacidade de resposta já estava se exaurindo. A presença do Governo do Estado é essencial para aliviar as necessidades da nossa população. Agradeço muito e fico emocionado e, ao mesmo tempo, feliz com essa contribuição”, enfatizou.
Abadio Cunha Jr., secretário adjunto de Proteção e Defesa Civil, dá orientações aos motoristas dos caminhões que saíram de Cuiabá




terça-feira, 25 de outubro de 2016

Porto Esperidião recebe mais de R$ 4 mi para reconstruir pontes

Ana Sampaio | Assessoria Secid-MT

O município de Porto Esperidião (330 km de Cuiabá) recebeu R$ 4,5 milhões do Ministério da Integração Nacional para reconstrução de nove pontes que foram levadas por enxurradas registradas no início deste ano. O valor é em resposta ao decreto de situação de emergência emitido pela cidade com auxílio da Secretaria de Estado das Cidades (Secid-MT), por meio da adjunta de Proteção e Defesa Civil de Mato Grosso.
Foto: José Medeiros/Gcom-MT
A enxurrada afetou cerca de 600 pessoas, equivalente a 5% da população rural do município. Comunidades indígenas chegaram a ficar três meses ilhadas. De acordo com o levantamento da coordenadoria de resposta e reconstrução, dias depois do acontecimento os prejuízos somavam pouco mais de R$ 1,6 milhão, entre danos públicos e privados. As nove pontes que foram arrastadas pelas fortes chuvas, em janeiro, eram de madeira e serão reconstruídas de concreto.

Conforme o secretário adjunto da Defesa Civil, tenente coronel BM Abadio Cunha, a resposta do Governo Federal foi essencial. “Estamos muito felizes pelo município, pois foi um processo do início do ano, que só foi atendido com celeridade porque estamos acompanhando pessoalmente todos que são encaminhados após as decretações de emergência. Em breve, os outros municípios que foram atendidos este ano pela Defesa Civil vão receber as verbas. E estamos trabalhando também para que os processos anteriores a nossa gestão sejam analisados e cada localidade receba os repasses para reconstrução dos danos causados pelos desastres”, explicou.

O coordenador de resposta e reconstrução, major BM Washington Duarte, destacou que o problema foi de grande proporção e deixou em situação difícil, principalmente a população fora do perímetro urbano. “Foi um desastre de grande porte, pois atingiu a população rural, que geralmente têm moradias distantes umas das outras. As pontes que antes eram de madeira serão reconstruídas, mas agora de concreto”, explicou.

Conforme o prefeito de Porto Esperidião, Gilvan de Oliveira, essas serão as primeiras pontes de concretos a serem construídas no município. “Recebemos a notícia com muita alegria. Sabemos e reconhecemos o trabalho da Defesa Civil junto ao Ministério das Integrações para que fosse rápido esse retorno. Com certeza um trabalho bem feito. Agradeço a Defesa Civil, ao governador Pedro Taques e ao secretário Eduardo Chiletto, que acompanharam de perto a situação com todo suporte necessário”, relatou.


Em 2016

A gestão realizada pela Defesa Civil junto ao Governo Federal apresenta resultados significativos para Mato Grosso. Somente em 2016, foram R$ 30,6 milhões de verbas repassadas pelo Ministério das Integração a municípios que decretaram situação de emergência. E os números devem subir até dezembro.

“São processos da nossa gestão e de gestões anteriores que não recebiam a atenção devida dos antigos gestores. Estamos na expectativa para que mais cinco municípios recebam verbas. Tudo fruto de muito trabalho para que possamos apresentar uma resposta positiva à população mato-grossense”, pontuou Duarte.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Tangará da Serra:  Defesa Civil e voluntários ajudam na distribuição de água para a população


A crise hídrica e a consequente falta de água para consumo da população da cidade de Tangará da Serra - MT. A situação preocupa. A falta de chuvas sem precedentes reduziu a vazão do córrego Queima Pé a um nível crítico. A capacidade de captação na Estação de Tratamento de Água despencou de 320 para 100 litros por segundo. O resultado é falta de água na torneira do consumidor. Para piorar e causar ainda mais preocupação nos tangaraenses, o tempo se arma, com direito a trovoadas, mas as chuvas são rápidas e sem volume.

Para amenizar a situação, está sendo feita a distribuição de água à população através de caminhões-pipa. Ação que conta com o importante apoio da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil  e seus voluntários.


Como atua o voluntário de Defesa Civil
Os voluntários foram capacitados pela Defesa Civil Estadual para identificar áreas e situações de risco, colaborar na orientação aos moradores de suas comunidades, nos alertas para a mobilização da Defesa Civil, quando necessário, e até mesmo nas ações diretas de atendimento emergencial, quando há ocorrência de sinistros. Eles são qualificados e preparados para agir em conjunto com os agentes a fim de auxiliar a Defesa Civil a cumprir sua missão primordial de proteger vidas dos cidadãos, além de preservar o meio ambiente.



segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Defesa Civil confirma passagem de 'tsunami meteorológico' em SC

Grande onda atingiu carros e pessoas que estavam na praia. Caso foi registrado na tarde de domingo em Balneário Rincão.

G1/SC

 Carro arrastado por onda foi retirado com auxílio de cordas no Sul de SC (Foto: W3/Divulgação
A Defesa Civil de Santa Catarina confirmou que o fenômeno que atingiu Balneário Rincão, no Litoral Sul, foi um 'tsunami meteorológico'. O fenômemo ocorre quando uma quantidade de nuvens carregadas e fortes ventos avançam rapidamente sobre o mar e formam uma grande onda que chega até a praia. Já o tsunami ou maremoto, como o que atingiu o Japão em 2011, ocorre com o deslocamento de uma grande massa de água, geralmente provocado por um abalo sísmico.

Segundo o sargento Cláudio Marcos, ninguém se feriu e as pessoas foram retiradas do mar antes da chegada dos bombeiros. Dois veículos, um Corolla e um Accord, ficaram submersos e foram retirados da água com auxílio de cordas.

Na barra do Rio Araranguá, em Morro dos Conventos, uma onda também arrastou carros e alagou um restaurante, segundo informações da RBS TV.

De acordo com a Defesa Civil, o tsunami meteorológico é "raro, perigoso e geralmente ocorre durante a passagem de linhas de instabilidade atmosféricas intensas. Não é o vento que provoca o tsunami meteorológico, mas sim a combinação peculiar de fatores, que podem gerar uma ressonânica e uma amplificação da onda".

Santa Catarina já registrou o tsunami meteorológico na praia do Pântano do Sul, em Florianópolis, e que também foi sentido na praia da Armação em 19 de novembro de 2009, segundo a Defesa Civil.

Chuva forte com ventania causa prejuízos em Campo Novo do Parecis 




Uma chuva forte com ventania causou grande prejuízo aos moradores do Município de Campo Novo do Parecis na manhã desta Sexta-feira (14). A população reclamou de muitos prejuízos provocados pela chuva intensa que fez na cidade. A chuva caiu com muita intensidade durante cerca de uma hora.

De acordo com moradores, o bairro Jardim das Palmeira está um caos. A chuva descobriu vários telhados e acumulou muitos entulhos nas casas, e os moradores estão tendo sérios problemas com a agua da chuva que desce pelo teto causando prejuízos materiais. Não há informações sobre feridos.

A chuva chegou forte na cidade por volta das 12 horas, precedida por um dia muito abafado. A considerável precipitação logo ganhou a companhia de fortíssimas rajadas de vento. Arvores atingiram redes elétricas e imóveis, além de obstruírem diversas vias. Os voluntários ajudaram nas ocorrências.



sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Conselho de Proteção e Defesa Civil quer alteração na legislação do setor


Fonte: http://www.aen.pr.gov.br/ 

O Conselho Nacional de Gestores Estaduais de Proteção e Defesa Civil (Congepedec) quer tornar mais ágil a ajuda aos municípios que forem atingidos por desastres naturais. A proposta para o aperfeiçoamento e mudanças da lei 12.608, que trata da matéria, foi discutida nesta quinta-feira (15) com o secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Renato Ramlow, em reunião realizada no Palácio Iguaçu, em Curitiba. O encontro aconteceu em paralelo ao 1º Congresso Brasileiro de Redução de Riscos de Desastres, que está sendo realizado em Curitiba e segue até sábado (15).
Os gestores estaduais que atuam nesta área formarão um grupo de trabalho para debater a regulação do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil e devem se reunir novamente em novembro para apresentar as alterações. Renato Ramlow afirmou que o objetivo é ampliar o diálogo com os estados e aproximá-los do governo federal. “A união faz força. Se estivermos unidos, estados e governo federal, consequentemente os municípios também serão beneficiados. A ideia é formarmos uma grande força de combate a desastres e qualquer evento natural que aconteçam no Brasil”, afirmou o secretário.
ATENDER A TODOS - O coordenador de Proteção e Defesa Civil do Paraná, coronel Adilson Castilho Casitas, explicou que este foi o primeiro encontro do conselho com o novo secretário nacional, que assumiu o cargo em setembro. “O secretário se mostrou bastante receptivo com a colaboração dos estados na construção de uma legislação que possa atender a todos. Isso vai facilitar, e muito, os trabalhos das coordenadorias estaduais”, afirmou. Por enquanto, a regulação é bastante centralizada no governo federal.
Para o presidente do Congepdec e coordenador Estadual de Proteção e Defesa Civil de São Paulo, coronel José Roberto Rodrigues de Oliveira, a estruturação do sistema nacional deve ser efetivo para reduzir os danos causados pelos desastres naturais, evitando prejuízos financeiros e buscando preservar a vida humana. 

“O Brasil é um sistema continental, com diferenças gritantes. Então temos que criar condições para que o sistema nacional seja atuante e eficiente e para os brasileiros tenham realmente prevenção”, destacou. 
CONGRESSO – O Congresso Brasileiro de Redução de Riscos de Desastres, que começou na quarta-feira (12) reúne em Curitiba cerca de 500 pessoas, entre especialistas, pesquisadores, professores, estudantes e gestores. O evento é promovido pelo Governo do Estado, por meio do Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres do Paraná (Ceped/PR) e a Universidade Estadual do Paraná (Unespar), e pela Universidade Positivo (UP).
Com o tema “A Pesquisa e o Ensino em RRD no Brasil e o Marco de Sendai para a Redução do Risco de Desastres 2015 – 2030”, a proposta é do congresso é promover a troca de conhecimentos e a integração de todas as áreas que envolvem a redução de risco de desastres. 

Nesta sexta-feira, entre outros assuntos, serão discutidos temas como governança de risco e resiliência, aprimoramento da preparação para otimizar resposta e recuperação, redução de riscos de desastres: marco Senadai 2015 a 2013 e a Rede Brasileira de Pesquisadores

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Temporal derruba árvores em bairros de Cuiabá e causa queda de energia

G1




A forte chuva que caiu em Cuiabá e Várzea Grande, região metropolitana da capital, nesta quarta-feira (5) derrubou árvores em bairros das duas cidades e deixou moradores sem energia elétrica. De acordo com o Corpo de Bombeiros, em uma das ocorrências, uma árvore caiu, atingiu a rede elétrica e pegou fogo.

Segundo a distribuidora de energia elétrica Energisa, concessionária do serviço na capital, 9% das unidades consumidoras ficaram sem energia nos dois municípios.

A região do Centro Político Administrativo foi a mais afetada. Em nota, a Energisa informou que o temporal provocou estragos na rede e o fornecimento de energia teve que ser interrompido.

Segundo os bombeiros, no Bairro Getúlio Vargas, em Cuiabá, uma árvore caiu em três carros. Na região central da capital, por causa do vento, uma árvore foi arrancada pela raiz e interditou uma rua. Ninguém ficou ferido nas ocorrências.

Já no Bairro Costa Verde, em Várzea Grande, uma árvore caiu, atingiu os fios de energia elétrica e pegou fogo. Não houve ferido. De acordo com um levantamento do Corpo de Bombeiros, nove ocorrências envolvendo queda de árvores foram atendidas em duas horas. Outras 25 ocorrências da mesma natureza ainda deveriam ser atendidas.

Ainda segundo a Energisa, ocorrências deste tipo são comuns nessa época do ano. Isso porque, com a mudança brusca de temperatura e as rajadas de vento, árvores inteiras e outros objetos caem na rede de energia elétrica e ocasionam a queda de energia.

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Seca castiga São Félix do Araguaia e emergência pode ser decretada

 Larissa Malheiros / Defesa Civil 

 São Felix do Araguaia 

O município de São Félix do Araguaia (distante 1.159 km de Cuiabá) deve decretar situação de emergência nos próximos dias devido à estiagem. Seis assentamentos localizados na zona rural da cidade já estão sem água potável. O fato foi constatado durante visita técnica de uma equipe da Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa Civil, no início desta semana. Além da seca, o município também vem sendo castigado com o aumento das queimadas.

Durante a visita, chefiada pelo coordenador de Resposta e Reconstrução da Defesa Civil, major BM Washington Duarte, a equipe orientou o prefeito sobre os procedimentos para decretação de emergência e debateu também as ações de resposta para minimizar o problema local.

De acordo com Duarte, se a situação de esgotamento hídrico permanecer por mais tempo, o município chegará a um colapso por desabastecimento de água na zona rural. “Essa situação já vem ocorrendo desde o início do ano com a estiagem nas lavouras e pecuária, mas neste mês se agravou ainda mais, pois chegou no estágio em que os rios e lagos estão secando e comprometendo o abastecimento de água potável para os munícipes que residem na área rural”, explica o major.

O problema já afetou os 56 alunos da escola Farandu, na zona rural, que precisou suspender as aulas devido à falta de água potável. Outro fator que contribui para a decretação de emergência são as queimadas, que continuam em ritmo intenso na localidade.

O município tem apenas um caminhão pipa em operação, o que é insuficiente para a grande demanda. Os assentamentos que estão em crise hídrica são: Dom Pedro, Carnaúba, Serra dos Magalhães, Mãe Maria, Lago de Pedra e Azulão da Gameleira.


A Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa Civil integra a estrutura da Secretaria de Estado das Cidades (Secid-MT).

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Cidades de Mato Grosso estão entre as reconhecidas em situação de emergência pelo Ministério da Integração 

Fonte:MI




O longo período de seca e estiagem deixou 23 municípios do Maranhão, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso e Sergipe em situação de emergência. O reconhecimento federal do Ministério da Integração Nacional foi publicado nesta sexta-feira (23) no Diário Oficial da União.

No Maranhão, foram reconhecidos os municípios de Balsas, Chapadinha, Formosa da Serra Negra, Paraibano, Pastos Bons, São João dos Patos, Sítio Novo e Tufilândia. Na Bahia, estão em situação de emergência as cidades de Ibitiara, Irecê, Riacho de Santana e Rio do Antônio; em Minas Gerais, os municípios de Francisco Badaró, Itaobim e Jenipapo de Minas; no Mato Grosso estão Água Boa, Cláudia e Querência; em Sergipe, os municípios de Frei Paulo, Itabi, Macambira e Nossa Senhora Aparecida. Barra de São Francisco, no Espírito Santo, também está em situação de emergência.

O reconhecimento federal permite o acesso as ações de apoio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec). Uma delas é a implementação de programas de fornecimento de água tratada, como a Operação Carro-Pipa Federal. Também é possível obter benefícios como a renegociação de dívidas no setor de agricultura junto ao Banco do Brasil; a aquisição de cestas básicas do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário; a retomada da atividade econômica das regiões afetadas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), entre outros.


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Sem chuva, 8 municípios de MT homologam situação de emergência

G1

Em Mato Grosso, oito municípios homologaram situação de emergência junto à Defesa Civil Estadual, por causa da falta de chuva. Entre eles, Sorriso, Ipiranga do Norte, Gaúcha do Norte e Nova Ubiratã. Alguns deles, segundo o órgão, estão há mais de 60 dias sem chuva. Com a estiagem, o abastecimento de água área urbana e a irrigação em são afetadas.

De acordo com a Defesa Civil, os municípios de Paranatinga, Água Boa, Nova Xavantina, Novo São Joaquim, Sorriso, Ipiranga do Norte, Gaúcha do Norte e Nova Ubiratã decretaram situação de emergência por causa da seca.

Nesses municípios, a falta de chuvas afetou principalmente a agricultura e a pecuária e, ainda, os pequenos produtores locais, causando a perdas em lavouras e impactando diretamente na redução das receitas municipais, que se baseiam principalmente no setor agropecuário. Ao decretar a situação de emergência e ter o estado reconhecido, os municípios recebem ajuda financeira.


Ainda segundo a Defesa Civil, outros cinco municípios estão homologando situação de emergência também por causa da estiagem. São eles, Marcelândia, Alto Garças, Santa Cruz do Xingu, Feliz Natal, São Felix do Araguaia.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Defesa Civil distribui 500 filtros à população de Barão de Melgaço

Larissa Malheiros/Defesa Civil
Fotos: Vani Cunha

A Secretaria de Estado das Cidades (Secid-MT) distribuiu 500 filtros de água para a população de Barão de Melgaço (a 128 km de Cuiabá) neste fim de semana. A ação, realizada por meio da Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa Civil, faz parte do plano de resposta feito após o município ter decretado situação de emergência por água contaminada. Além desse trabalho, uma equipe da Secid iniciou o estudo do projeto para implantar a nova rede de captação na cidade. Dezessete voluntários participaram da ação.

O secretário das Cidades, Eduardo Chiletto, e o secretário adjunto da Defesa Civil, tenente-coronel BM Abadio da Cunha, acompanharam a distribuição dos filtros e conheceram de perto as necessidades da população afetada pela contaminação da água. “Após a descoberta da contaminação na rede de distribuição de água de Barão, nossa equipe da Defesa Civil iniciou os trabalhos de auxílio para que o município decretasse situação de emergência. Em continuidade a esta resposta, distribuímos esses 500 filtros de água, para amenizar os possíveis danos à saúde dos moradores locais. Esse trabalho também é preventivo e de extrema importância ao município”, enfatizou Chiletto.

Muitas famílias não teriam condições de adquirir o filtro de água, e se surpreenderam com a ação do Estado. É o caso da dona de casa Dinair Viana, 54 anos, moradora de Barão de Melgaço há 19 anos. “Estou muito feliz e surpresa com essa doação. É a primeira vez que o Governo vem até o nosso município com esse tipo de assistência”, explica.

Maria Bitá, 46 anos, que tira o sustento da agricultura familiar, diz que se sentia esquecida no município, mas que nunca perdeu a esperança de consumir água limpa. “Esperávamos há muito tempo para tomar uma água limpa. Minha família não tem condições de comprar água mineral toda semana, por isso é uma imensa alegria receber este auxílio”, contou.

A ação de entrega dos filtros terá continuidade com a conscientização da população para utilizar o utensílio. “Encontramos o município em uma situação crítica, porém agora estamos encaminhando para tentar solucionar o problema. A distribuição de filtros é um trabalho de ofício da Defesa Civil, para tentar normalizar o dia a dia da população o mais breve possível”, disse o tenente coronel Cunha.



Distribuição de água

Como parte dos trabalhos que auxiliam o município de Barão de Melgaço, a equipe de saneamento ambiental da Secid realiza levantamentos técnicos para elaborar um projeto para implantar um novo sistema de abastecimento na cidade, com tratamento de água e uma nova rede de distribuição. “Saneamento é saúde, por isso estamos concluindo todo levantamento topográfico. Queremos entregar na próxima semana para iniciar a elaboração do projeto para solucionar definitivamente o problema no abastecimento de agua e esgoto o mais rápido possível em Barão”, contou a superintendente de saneamento Denise Duarte.

O projeto será apresentado ao Ministério da Integração para captação de recursos federais. “Vamos trabalhar para garantir recursos do Governo Federal, que serão voltados para Barão e demais cidades que apresentarem este mesmo problema”, explicou Chiletto.





Entenda o caso

Após descoberta de contaminação na rede de distribuição de água, a prefeitura de Barão de Melgaço decretou, em agosto, estado de emergência por meio da coordenadoria municipal de Defesa Civil, com apoio da Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa Civil.