terça-feira, 19 de janeiro de 2016

DEFESA CIVIL ANALISA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA NA AGRICULTURA EM MATO GROSSO

A falta de chuva que causou uma série de prejuízos aos produtores rurais de Mato Grosso também é pauta da Defesa Civil Estadual. Os coordenadores major BM Washington Duarte e Benedito Araujo estão percorrendo vários municípios, analisando e coletando dados para o o processo de decretação de situação de emergência por crise econômica. 




Uma boa parte das lavouras de soja no Estado está sendo perdida por causa da estiagem que se estendeu além do previsto em 2015. O retorno das chuvas nos últimos dias alivia apenas a situação das plantações cultivadas mais tarde. Já para as áreas semeadas mais cedo, em setembro e outubro, as lavouras foram comprometidas. Além do rendimento ruim nas sacas colhidas, a má qualidade dos grãos também preocupa os produtores.


Segundo o prefeito de Ipiranga do Norte, Pedro Ferronato, esse é o primeiro registro de perda de lavoura por seca e estiagem nos últimos 30 anos. “Geralmente perdíamos produtividade por excesso de águas e vamos ter que rever todo este processo, até mesmo os prazos limites para a formação das lavouras de soja, o que influencia lá na frente a segunda safra”, revelou o prefeito.



Reunião em Ipiranga do Norte, dia 18/01/2016
Para o coordenador da Defesa Civil Estadual, major BM Washington Duarte,  a decretação de situação de emergência pode garantir reparações legais aos produtores rurais no cumprimento de seus compromissos com compradores e bancos financiadores. “Como a agricultura é a base de muitos municípios, toda a sociedade acaba sentindo as consequências  dos danos nas lavouras. Por isso, nós, da Defesa Civil, continuaremos fazendo as visitas às lavouras e o levantamento da documentação que possa comprovar os prejuízos  para o processo de pedido de decretação de situação de emergência”.


Desde o dia 12 de janeiro, a equipe da Defesa Civil Civil Estadual já visitou lavouras e realizou reuniões com prefeitos, sindicato rurais e agricultores nos municípios de Sorriso, Nova Ubiratã, Gaúcha do Norte, Ipiranga do Norte e Feliz Natal.



Reunião em Gaúcha do Norte, dia 14/01/2016


Reunião em Nova Ubiratã, dia 13/01/2016

Reunião em Feliz Natal, dia 19/01/2016

Em Sorriso, os agricultores contabilizam um prejuízo mínimo de 25% na produção da soja em função da severa estiagem. A estimativa foi informada pelo secretário da Agricultura de Sorriso, Afrânio Migliari. De acordo com Afrânio, a seca impactou diretamente em pelo menos 150 mil hectares de soja no município. 



O município de Nova Ubiratã aparece na sétima colocação no ranking nacional dos 20 maiores municípios produtores de soja, no entanto também deve contabilizar um prejuízo mínimo de 25% na produção da oleaginosa, situação que abrange também os pequenos produtores de assentamentos.



Em Gaúcha do Norte, a expectativa dos produtores é que em alguns casos a perda poderá chegar a 80%.






Fonte: Cida Rodrigues - Assessoria / Defesa Civil Estadual
Fotos: Defesa Civil
ENTREGA DE CERTIFICADOS A VOLUNTÁRIOS DE DEFESA CIVIL

Mais 257 voluntários de Cuiabá e Várzea Grande foram formados pela Defesa Civil de Mato Grosso para atuar em situações de desastres e emergências. A entrega dos certificados aconteceu no último sábado (16.01), durante cerimônia que contou com a presença da coordenadora do Núcleo de Ações Voluntárias e primeira-dama, Samira Martins.




Ao todo, cinco turmas participaram da capacitação recebendo treinamento prático e teórico de primeiros socorros, noções de combate a incêndio e confecção de abrigos temporários. As aulas foram ministradas pelos agentes da Defesa Civil Estadual e realizadas entre os meses de agosto e dezembro de 2015.



De acordo com o titular da Defesa Civil do Estado, tenente-coronel Abadio da Cunha Júnior, a participação dos voluntários nos atendimentos à população é de extrema importância, já que Mato Grosso não conta ainda com coordenadorias da Defesa Civil em todos os municípios. "É uma honra entregar esses certificados e ter certeza de que a Defesa Civil pode contar com mais pessoas capacitadas para atuar ao nosso lado. Nosso objetivo é aumentar a representatividade do órgão para que assim possamos dar o suporte necessário ao Estado como um todo".






Entre os formados está o auxiliar administrativo Adrieldo dos Santos, 37, que se interessou pela Defesa Civil após ser voluntário nos jogos da Copa do Mundo de 2014. Ele conta que apesar de trabalhar em um ramo totalmente diferente, está pronto para contribuir com a entidade quando for chamado. "A Defesa Civil faz um trabalho muito importante e sério, principalmente, com a população atingida em catástrofes. Espero poder compartilhar o que aprendi no curso para ajudar essas pessoas e dar o apoio necessário".


Para o titular da Secretaria de Estado das Cidades (Secid), Eduardo Chiletto, os voluntários da Defesa Civil são um grande exemplo para a sociedade. Isto porque, são pessoas que dedicam seu tempo para ajudar ao próximo nas situações mais extremas. "Estamos fechando nosso primeiro ciclo de trabalho e dando início ao outro em 2016. O exemplo do voluntariado é algo que nos motiva a trabalhar ainda mais em prol da transformação do Estado que tanto queremos. São de pessoas assim que precisamos para fazer Mato Grosso avançar".



Parceria

Coordenadora do Núcleo de Ações Voluntárias (NAV) do Governo, a primeira-dama Samira Martins, esteve na cerimônia para entregar os certificados ao voluntário mais novo e mais velho do curso. Durante o discurso, Samira parabenizou os novos formados pelo interesse no trabalho voluntariado e destacou a possibilidade de uma atuação conjunta entre a Defesa Civil e o NAV. "Eu sou voluntária há muito tempo, vim de uma família de voluntários, então é algo que eu já conheço e sei do valor. Sempre digo que o trabalho voluntário não é remunerado, porque realmente não há preço que pague em poder ajudar o outro, que muitas vezes, nem sabemos quem é".



Fonte: Bruna Pinheiro - Assessoria/Secid
Fotos: Vani Cunha

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

COMBATE AO MOSQUITO AEDES: 
MAIS APOIO E ORIENTAÇÃO AOS MUNICÍPIOS

Como são nos municípios que são efetivadas as ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti, a Defesa Civil Estadual está empenhada em incentivar e orientar cada município mato-grossense na instalação da Sala Municipal de Coordenação e Controle. Além de contatos por telefone e e-mail, uma série de visitas aos municípios mato-grossenses está sendo feita a partir desta semana.



Nessa quinta-feira, dia 07 de janeiro, o superintendente Cunha Júnior esteve em Sinop numa reunião que contou com a presença do Comando Regional do Corpo de Bombeiros, da Secretaria Municipal de Saúde e da prefeita em exercício Rosana Martinelli. O resultado foi super positivo, pois a prefeita firmou compromisso de instalar a Sala Municipal de Coordenação e Controle para enfrentamento ao mosquito Aedes Aegypti. Até agora somente Tangará da Serra havia implantado a Sala Municipal.



Também já foram visitados os municípios de Rosário Oeste, Acorizal, Jangada, Nobres, Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Chapada, Campo Verde, Barão de Melgaço e Santo Antonio de Leverger. Em todas visitas, a equipe da Defesa Civil Estadual recebeu retornos favoráveis por parte dos gestores municipais que se disporam a aumentar suas ações de combate ao mosquito, bem como instalar uma Sala de Coordenação para integração na mobilização estadual. 



Para a próxima semana foram agendadas visitas a Porto  Estrela, Barra do Bugres, Nova Olimpia, Denise, Arenápolis, Santo Afonso, Alto Paraguai, Nortelândia, Marilândia e Damantino.


A meta nesse momento é orientar os demais municípios para que instalem suas Salas de Coordenação e possam se reunir no mínimo semanalmente para definição de ações e análise de resultados. A sugestão é que a Coordenação Municipal seja composta por representantes do Gabinete do Prefeito, Saúde, Defesa Civil Municipal, Assistência Social e outros órgãos que cada município considerar necessário. Sua atribuição é planejar a execução das ações de mobilização e de combate ao mosquito em seu município, e  informar à Sala Estadual os dados de suas ações e as respectivas necessidades logísticas. A Sala Estadual de Comando e Controle depende da informações que virão dos municípios para conseguir apoiá-los melhor.



A Sala Estadual de Coordenação e Controle



Na reunião que ocorreu na quarta-feira, dia 06 de janeiro, a  Sala Estadual de Coordenação e Controle de combate ao mosquito Aedes aegypti ganhou novos participantes. Agora, o Exército e o Corpo de Bombeiros se juntaram à Defesa Civil Estadual e às Secretarias de Estado de Saúde, de Segurança Pública e de Educação, no gerenciamento e monitoramento das ações em Mato Grosso.






Principais encaminhamentos: 



* Primeiro curso de Noções Básicas para Ações de Prevenção e Controle do mosquito Aedes Aegypti. O curso será oferecido pela Secretaria de Estado da Saúde aos alunos do Corpo de Bombeiros, no dia 11 de janeiro, no auditório da Arena Pantanal. Serão 300 alunos, divididos em duas turmas, no período da manhã, das 8h às 12h e à tarde das 14h às 18h. A iniciativa é uma estratégia para somar forças junto aos agentes de saúde e transformar os futuros bombeiros militares em multiplicadores.



* Participação dos representantes dos escritórios regionais da Secretaria de Estado da Saúde na próxima reunião da Sala de Coordenação. 



* Definição de contra-partida para repasse financeiro do Estado aos municípios.

Intensificação do convencimento aos municípios para que estes intalem suas Salas Municipais de Coordenação e Controle.

Fonte: Cida Rodrigues - Assessoria / Defesa Civil Estadual

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

DEFESA CIVIL E SECRETARIA DE MOBILIDADE URBANA TRAÇAM PLANO PARA TRÂNSITO EM ÁREAS DE ALAGAMENTO

Chuvas intensas, como as que começaram a ocorrer neste mês, podem trazer alguns transtornos às cidades, alagando ruas, prejudicando o trânsito e até colocando em risco a segurança das pessoas que transitam por vias inundadas. 

Em Cuiabá, representantes da Defesa Civil Estadual e da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana se reuniram na tarde do dia 06 de janeiro para traçar um plano de atuação em situações de emergência nas áreas com risco de alagamento na capital. 




Pela Defesa Civil Civil Estadual, participaram o superintendente, Tenente Coronel BM Abadio José da Cunha Júnior e o coordenador de resposta e reconstrução, Tenente Coronel BM Márcio Paulo da Silva. A Secretaria de Mobilidade Urbana de Cuiabá contou com a presença e direcionamentos do Secretário Thiago França,  da Secretária-adjunta Anna Regina Feuerharmel, além de assessores e agentes de trânsito. 



O plano, que inclui a região do Viaduto da UFMT, vai definir a viabilidade técnica de rotas alternativas em momentos de chuva, sinalização das vias que podem alagar, estratégia de comunicação e protocolo de atendimento e acionamento dos órgãos que compõem o plano de contingência (Proteção e Defesa Civil Municipal e Estadual, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Secretaria de Mobilidade Urbana).

Na manhã desta quinta-feira,  07 de janeiro, parte das tratativas discutidas na reunião pôde ser colocada em prática com um piloto emergencial do protocolo de atendimento, mesmo sem a institucionalização do plano.  Após a visualização das imagens das câmaras de monitoramento do CIOSP instaladas na região do Viaduto da UFMT, que indicavam uma pequena inundação, foi feito o acionamento de viaturas com giroflex para permanecer no local e orientar quem trafegava por lá.  



A ideia é finalizar o plano e colocá-lo em prática o mais rápido possível, já que a chuva não está dando trégua.  Enquanto isso (e sempre), tente se proteger seguindo as orientações sobre como agir em caso de fortes chuvas, enchentes ou inundações:

Evite sair quando ocorrerem chuvas fortes;

Se estiver na rua, evite andar em ruas alagadas;

Se já estiver numa área inundada, procure se proteger o máximo possível para evitar o contato com a água. Use calçados ou improvise, com sacos plásticos;

Não se aventure a enfrentar correntezas. Fique em lugar seguro. Se precisar, peça ajuda;
Se a correnteza estiver muito forte, segure-se em cordas ou em outras pessoas;  

Mesmo que você saiba nadar bem, não se arrisque em travessias;

Não se aproxime de cercas de arame, varais metálicos e trilhos;

Mantenha-se longe de fiação elétrica exposta;


SE ESTIVER DIRIGINDO, ATENÇÃO!

Aos primeiros sinais de alagamento procure áreas elevadas para estacionar e aguarde o nível da água baixar;

Ande devagar, aumente a distância do veículo da frente e não feche os cruzamentos;
Não pare o carro próximo a árvores ou postes;

Evite áreas alagadas. Se for inevitável atravessá-las, mantenha aceleração contínua.
Aguarde que o carro que esteja a sua frente transponha a área alagada para, em seguida, realizar a sua travessia;

Não fique próximo a caminhões ou ônibus. Veículos de grande porte provocam marolas que podem prejudicar o controle da direção ou inundar e apagar o motor;

Se o nível da água atingir o batente inferior da porta é hora de abandonar o veículo. Com água acima das rodas, o carro começa a boiar e fica sem controle. Se alcançar as janelas, ocorre o bloqueio das portas, impedindo a saída e dificultando o resgate.


Fonte: Cida Rodrigues - Assessoria / Defesa Civil Estadual

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

SALA DE COMANDO E CONTROLE PARA  ENFRENTAMENTO AO AEDES AEGYPTI

Fonte: Bruna Pinheiro - Assessoria/Secid

Mato Grosso é o segundo estado brasileiro que conta com Sala de Comando e Controle em funcionamento para o desenvolvimento de ações de combate ao Aedes aegypti. A central, que está sob coordenação da Defesa Civil Estadual, faz parte das ações desenvolvidas pelo Executivo. No dia 23 de dezembro, o Governo lançou o Plano Emergencial de Enfrentamento ao mosquito.

Lançamento do Plano Estadual de Enfrentamento ao mosquito
A central, que foi a mesma utilizada para as ações de segurança pública durante a Copa do Mundo, servirá para a comunicação direta entre as instituições municipais e estaduais com os órgãos federais. Estatísticas, pontos críticos, andamento das vistorias e levantamento de informações serão algumas das informações a serem repassadas periodicamente entre as entidades.

A primeira videoconferência na Sala de Comando e Controle foi realizada no dia 21 de dezembro. Na data estiveram reunidos representantes da Defesa Civil Nacional, Ministério da Saúde (MS) e da Educação (MEC) com a Defesa Civil Estadual e as secretarias de Saúde (SES), Segurança Pública (Sesp), Educação (Seduc), Trabalho e Assistência Social (Setas) e Casa Civil. Na ocasião, um panorama geral da situação em Mato Grosso foi compartilhado com os órgãos nacionais. Na oportunidade também foram sanadas dúvidas e sugeridas propostas para a execução do plano emergencial.


Superintendente da Defesa Civil, tenente-coronel Abadio da Cunha Júnior, explica que a sala tem como função principal analisar em conjunto com as demais instituições o andamento das ações nos municípios.

"A partir do momento em que a Defesa Civil Nacional foi acionada pelo Governo Federal, as estaduais também tiveram que se mobilizar. Esta sala vai possibilitar que todos saibam ao mesmo tempo a real situação dos municípios, o que precisará ser feito, qual apoio cada instituição poderá oferecer. É um local de tomada de decisões e que poderemos contar ainda com o suporte da Defesa Nacional e outras entidades do Governo", reforçou Cunha.

Para o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, general Adriano Pereira, a estruturação da Sala de Comando e Controle reflete a importância de se reunir representantes de diferentes esferas para o desenvolvimento das ações em combate ao mosquito Aedes aegypti, que é transmissor da chikungunya, dengue e zika.

"Fico feliz em ver que Mato Grosso já tenha este local organizado, pois ele será essencial no andamento das ações no Estado. O país vive uma situação emergencial e grave, já que temos registros das três doenças. Se cada local fizer o que Mato Grosso está fazendo, vamos ter importantes avanços".

Secretário de Estado de Saúde, Eduardo Bermudez, falou sobre a sala a importância durante evento de lançamento do plano emergencial. Para ele, o local será uma importante base de dados para que o Governo identifique os pontos mais críticos, como a alta incidência do mosquito e as doenças relacionadas a ele.

"Esta sala nos ajudará a gerenciar a atual crise, além de reunir todas as forças estaduais no combate ao vetor. É importante frisar que a população também pode e deve colaborar com estas ações, pois neste momento estamos em trabalho conjunto pelo mesmo objetivo".

De acordo com último balanço divulgado pela SES, em 2015 já foram notificados 27.597 casos de dengue, 2.185 de zika, 172 de chikungunya e 78 de microcefalia.