segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

DEFESA CIVIL APRESENTA SALA DE COMANDO E CONTROLE A GOVERNADOR E MINISTRO


Como parte do cronograma de atividades do Dia D contra o Aedes aegypti em Mato Grosso no sábado (13), o governador Pedro Taques e o ministro de Cidades Gilberto Kassab, visitaram a Sala Estadual de Comando e Controle. O local é coordenado pela Secretaria de Estado das Cidades (Secid), por meio da Defesa Civil, e está sendo utilizado para o compartilhamento de informações e resultados das ações de combate em todo o Estado.



Coordenador Nacional da Sala de Controle e Enfrentamento à Microcefalia, Marcos Quito, elogiou a iniciativa do Governo do Estado em implantar o espaço. Ao lado de representantes do Ministério da Defesa, Saúde, Casa Civil da Presidência da República e Defesa Civil Nacional, Quito liderou a videoconferência com Mato Grosso.

Criada em dezembro de 2015, a central estadual é a segunda do país a oferecer estrutura para que os municípios repassem suas informações diretamente aos órgãos estaduais e federais. De acordo com Quito, a atitude demonstra a preocupação e envolvimento de Mato Grosso no combate ao Aedes aegypti.



“É muito importante que o Estado tome o controle desse combate como Mato Grosso vem fazendo. As atividades no Estado coordenadas e repassadas com apoio da Defesa Civil podem mudar o cenário epidemiológico na região. O combate ao mosquito e às doenças ligadas a ele é uma causa de todos nós”, disse Quito.

Durante a videoconferência, o ministro de Cidades Gilberto Kassab, destacou seu contentamento ao encontrar a organização do Dia D no Estado. Segundo ele, Mato Grosso se iguala a outros estados em que as ações vêm sendo bem desenvolvidas.

“Estamos em um momento histórico no país, com atividades realizadas em todos os estados. Aqui em Mato Grosso, fomos surpreendidos pela extraordinária organização tanto do município quanto do Estado. Tenho certeza que em breve, os resultados positivos dessas ações serão percebidos pela população”, pontou.

A coordenação da sala pela Secid/Defesa Civil foi ressaltada pelo governador Pedro Taques, que salientou que desde o lançamento do plano de enfrentamento, a central está à disposição do Estado no levantamento de dados dos municípios.

“Mato Grosso foi o segundo Estado do país a instalar esta sala, pois entendemos a necessidade do diálogo com os municípios nas ações de combate ao Aedes. Além disso, a possibilidade de comunicação direta com o Ministério da Saúde, Educação e Defesa nos auxilia e muito no planejamento e execução das atividades. Aqui estão concentrados todos os dados do Estado, atualizados diariamente. Isso é muito importante para nós”.

Números: Superintendente da Defesa Civil, tenente-coronel Abadio da Cunha Júnior, apresentou dados gerais da sala e mostrou como funciona o compartilhamento de informações entre municípios e Estado e também com os órgãos federais. Cunha ainda detalhou os imóveis vistoriados em Mato Grosso desde o início da campanha estadual.

Realizado a partir de janeiro de 2016, o trabalho de inspeção já alcançou 360 mil imóveis, o que representa cerca de 34% do total. Os dados estão sendo repassados pelos municípios e compõem o Relatório de Acompanhamento.

“Poderíamos ter números muito maiores, porém, ainda há municípios que não nos repassam todas as informações. De qualquer forma, esses dados já estão sendo utilizados pelo Governo para otimizar as ações de combate”, disse o superintendente.

Prestando apoio às ações desenvolvidas nos municípios, a Defesa Civil Estadual colocou aproximadamente 80 agentes e voluntários em Chapada dos Guimarães, Nova Brasilândia, Sinop, Sorriso e Várzea Grande. O resultado das atividades será encaminhado para atualização do relatório.


Fonte: Bruna Pinheiro - Secid/MT

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

MUNICÍPIO DE JUÍNA AVANÇA NAS AÇÕES DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL 


As fortes chuvas que atingiram o município de Juína na madrugada do dia 04 de fevereiro danificaram cerca de 20 pontes na área rural, sendo que três foram completamente destruídas. Juína está a 737 km da capital, Cuiabá, e possui 4.200 km de estradas na área rural e diversas localidades foram afetadas. Estima-se que mais de 1.500 pessoas estão em áreas isoladas. Prejuízo também para o escoamento do leite e da lavoura produzidos na região. 


Para assessorar o município na decretação de situação de emergência, uma equipe da Defesa Civil Estadual se reuniu na manhã desta quinta-feira, dia 11 de fevereiro, com os Secretários Municipais e assessores das áreas jurídica, contábil e de convênios da Prefeitura. Durante a reunião, o major BM Washington Duarte, coordenador de resposta e reconstrução da Defesa Civil Estadual, apresentou o Sistema de Defesa Civil e falou da necessidade da criação da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil e do levantamento de prejuízos causados pela chuva no município. Segundo o major Washington, Juína tem 10 dias para decretar situação de emergência contando da data do evento que ocasionou o desastre. “Temos até o dia 13 para encaminhar o processo para o reconhecimento federal. É o primeiro passo para garantir os benefícios legais, como dispensa de licitação para atendimento da situação emergencial, por exemplo, ou mesmo para solicitar recursos federais que possibilitem a reconstrução de obras danificadas pelas enchentes”, explicou o major.



A assessoria oferecida pela Defesa Civil Estadual possibilitou o acesso do município ao Sistema Integrado de Informações sobre Desastres – S2ID, administrado pelo Ministério da Integração Nacional. Com o acesso ao S2ID, o responsável municipal pelas ações de Defesa Civil vai  enviar os documentos para registro e reconhecimento de desastres, solicitar recursos federais e realizar a prestação de contas dos recursos disponibilizados.

Nesse primeiro dia de trabalho conjunto, a Prefeitura também já fez a solicitação do Cartão de Pagamento de Defesa Civil junto ao Banco do Brasil. O cartão é um meio de repasse imediato de recursos para resposta ao desastre. Outro avanço será o encaminhamento da criação da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil para aprovação do legislativo.


Para o sargento BM Wagner Soares, um dos representantes da Defesa Civil que está auxiliando na ação, os avanços e encaminhamentos vão garantir que o município de Juína esteja mais preparado para resistir, absorver e se recuperar dos efeitos de um desastre ou acidente que possa ocorrer, e não apenas neste evento específico. “Isso é resiliência”, finalizou o sargento Wagner.

Texto: Cida Rodrigues - Defesa Civil Estadual

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

PREJUÍZOS EM CIDADES DE MATO GROSSO ATINGIDAS POR ENCHENTES CHEGAM A R$ 7,4 MILHÕES


O levantamento repassado pelos municípios de Pontes e Lacerda, Porto Esperidião e Vila Bela da Santíssima Trindade apontam que os prejuízos nas cidades giram em torno de R$ 7,4 milhões após as inundações nos rios Aguapeí e Alegre. Os danos foram calculados baseados na quantidade de casas afetadas, criações, comércio e obras de infraestrutura. O relatório completo será encaminhado para homologação do Estado e posterior reconhecimento de situação de emergência pela Defesa Civil Nacional.



O titular da Defesa Civil Estadual, tenente-coronel Abadio da Cunha Júnior, explica que os dados são inseridos pelas defesas civis municipais com apoio das equipes que estão nas três cidades desde o dia 21 de janeiro. Além do levantamento de desabrigados e desalojados, pontes destruídas e outros prejuízos, o Formulário de Informações de Desastre (FIDE) também conta com um relatório fotográfico. Para que seja homologada situação de emergência, o valor total dos prejuízos deve ser correspondente a 2,77% do PIB do município.


"O Estado já vem ajudando os municípios com o envio de alimentos, água potável, filtros e medicamentos desde que a Defesa Civil chegou às cidades. Agora fica a cargo das prefeituras lançarem os dados recolhidos nos últimos dias para homologação da situação de emergência. Temos até o dia 28 de janeiro, dez dias após o desastre, para a finalização desse processo".


De acordo com informações já lançadas, em Pontes e Lacerda foram 58 pessoas desalojadas e outras 5,5 mil afetadas indiretamente, seja pelo isolamento em virtude de pontes destruídas e interrupção de estradas, seja pela perda de criações de gado, porcos, galinhas e peixes levadas pela água. No município, os prejuízos econômicos ultrapassam os R$ 4,9 milhões.



Em Vila Bela da Santíssima Trindade são 2 mil pessoas afetadas indiretamente, 28 desabrigadas e três desalojadas. A cidade repassou que os prejuízos em obras de infraestrutura somam mais de R$ 1,2 milhão e outros R$ 573 mil em imóveis atingidos. Segundo informações do município, as famílias que se alojaram na Escola Municipal Santa Luzia ainda continuam no local.

Primeira cidade atendida pela Secretaria de Estado das Cidades (Secid), por meio da Defesa Civil, Porto Esperidião repassou que no município são R$ 696 mil em prejuízos, entre casas atingidas, obras de infraestrutura e os danos da Escola Municipal Santo Antônio. Ao todo, são 477 pessoas afetadas indiretamente, 84 feridos, 25 desalojados e 10 desabrigados. A partir desta quarta-feira (27.01), técnicos da Fundação Nacional da Saúde (Funasa) iniciam trabalho de limpeza nos poços artesianos da cidade.

Até o momento, já foi realizada nos três municípios a distribuição de 130 cestas básicas, 75 fardos de água, 60 cobertores, 17 colchões e dois rolos de lona às famílias atingidas.





Fonte: Bruna Pinheiro - Secid/MT